TV JCN: 12ª CAMINHADA DOS PEREGRINOS DE NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS 2016

14 de junho de 2016

SENADORA FÁTIMA BEZERRA (PT) PEDE FIM DA CULTURA DA INTOLERÂNCIA


A senadora Fátima Bezerra solidarizou-se, nesta segunda-feira, da tribuna do Plenário, com os familiares e amigos das vítimas do massacre ocorrido em uma boate gay em Orlando, nos Estados Unidos. Ela destacou que esse atentado é fruto da cultura da intolerância, que cresce, no país e no mundo a cada dia. Para Fátima, o atentado é bem representativo de todos aqueles crimes frutos do ódio e da intolerância, que não estão restritos à territorialidade dos Estados Unidos nem a uma religião, mas que se estendem a todo tipo de aversão, seja contra homossexuais, mulheres, negros, latinos etc. “Esse crime representa todos aqueles atentados diários que presenciamos contra os direitos humanos, fruto de um discurso de ódio que se expande a cada dia e que, em nosso País, tem sido alimentado, inclusive, por governantes e parlamentares”, destacou. A senadora lembrou que a cultura da intolerância acaba a formar cidadãos agressivos aos diferentes e que, em geral, as pessoas preconceituosas o são em várias áreas: são homofóbicas, ao mesmo tempo em que são machistas, racistas, intolerantes religiosos e desprezam pessoas de nível social inferior.
Fátima enfatizou que atentados, como o que aconteceu no domingo, são na verdade, investidas contra todos os defensores dos direitos humanos. “ A cor da pele, não é uma doença, mas o racismo, sim. A homossexualidade não é uma doença, como querem alguns, mas a homofobia, sim. O feminismo não é uma doença, mas o machismo, sim - uma doença que invade as entranhas de nossa sociedade e abre espaço para que cidadãos como esse atirador de Orlando possam praticar crimes dessa magnitude; uma doença que abre espaço para que estupros coletivos, como o da menina do Rio de Janeiro, ocorram e, pior, com tentativas de se culpar a vítima, não interessando quem seja ela; uma doença que permite que cidadãos sejam violentados ou mortos em razão de sua orientação sexual, de sua cor de pele, de sua classe social”, afirmou.

Nenhum comentário: